Síndrome do ovário policístico

Autora: Maria Helena Varella Bruna

Os ovários são dois órgãos, um de cada lado do útero, responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos e por acolher os óvulos que a mulher traz consigo desde o ventre materno. Entre 20% e 30% das mulheres podem desenvolver cistos nos ovários, isto é, pequenas bolsas que contêm material líquido ou semissólido. São os ovários policísticos, que normalmente não têm importância fisiológica, mas que em torno de 10% estão associados a alguns sintomas. Os outros casos são assintomáticos.

A diferença entre cisto no ovário e ovário policístico está no tamanho e no número de cistos.

A síndrome acomete principalmente mulheres entre 30 e 40 anos e o diagnóstico tornou-se mais preciso com a popularização do exame de ultrassom.

Sintomas

* Alterações menstruais – As menstruações são espaçadas. Em geral, mulher menstrua apenas poucas vezes por ano;

Hirsutismo – Aumento dos pelos no rosto, seios e abdômen;

Obesidade –Ganho significativo de peso piora a síndrome;

Acne – Em virtude da maior produção de material oleoso pelas glândulas sebáceas;

Infertilidade.

Causas

Não foi estabelecida ainda a causa específica da síndrome dos ovários policísticos. Sabe-se que 50% das mulheres com essa síndrome têm hiperinsulinismo e o restante apresenta problemas no hipotálamo, na hipófise, nas adrenais e produz maior quantidade de hormônios masculinos.

Tratamento

Como se trata de uma doença crônica, o tratamento é sintomático.

Mocinhas de 15 ou 16 anos, obesas, com pelos no rosto e no corpo e acne precisam emagrecer. Às vezes, só a perda de peso ajuda a reverter o quadro. Se não forem obesas, a atenção se volta para o controle da produção de hormônios masculinos, o que se consegue por meio de pílulas anticoncepcionais. Essa medicação atua também na unidade pilossebácea reduzindo a produção de sebo e o crescimento dos pelos.

Os casos de infertilidade respondem bem ao clomifeno, um indutor da ovulação. Se isso não acontecer, pode-se estimular os ovários com gonadotrofinas. Atualmente, é possível, ainda, fazer a cauterização por laparoscopia.

Recomendações

* Consulte regularmente seu ginecologista. Não deixe de fazer o exame ginecológico e outros que ele possa indicar;

* Não se descuide. Mulheres com ovário policístico correm maior risco de desenvolver problemas cardiovasculares na menopausa;

* Controle seu peso. A obesidade agrava os sintomas da síndrome do ovário policístico.

Fonte: Drauzio Varella – acessado 16/08/2018

Bebê que mama é adulto saudável: 5 benefícios a longo prazo da amamentação

Bebê que mama é adulto saudável: 5 benefícios a longo prazo da amamentação

Fonte: Bebê.com.br – acessado dia 14/08/2018

“Aleitamento materno: a base da vida”. A frase, tema da 26 ª Semana Mundial da Amamentação, que ocorre anualmente em dezenas de países para reforçar a importância do leite materno, faz ainda mais sentindo se pensarmos nos efeitos a longo prazo desse ato cheio de carinho e entrega.

“A amamentação é o alicerce para a construção de uma base sólida de saúde física e mental para a criança por toda a vida, atuando positivamente em todo o organismo ”, aponta Graciete Oliveira Vieira, pediatra do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Veja alguns benefícios comprovados recentemente pela ciência que se estendem por anos e até décadas depois da amamentação.

Saiba mais aqui

O Hormônio anti-mülleriano( AMH)

O Hormônio anti-mülleriano( AMH)

O  hormônio anti-mülleriano (AMH) descoberto em 1940, é produzido e  secretado exclusivamente pelas gônadas e, está envolvido no crescimento e desenvolvimento folicular.  O exame de dosagem do AMH vem  ganhando destaque a cada dia na clínica ginecologia, pois, é considerado o efetivo, como também, o marcador mais fidedigno do que a própria idade cronológica da mulher, quanto ao patrimônio folicular e a função ovariana. O AMH, além de permitir predizer a reserva ovariana, o seu grau de envelhecimento e o declínio da idade reprodutiva da mulher,  reforça a ainda a hipótese de sua utilização como um bom preditor da idade do início da menopausa.

No RDO Diagnósticos Médicos  o teste/dosagem do AMH é realizado desde 2007, portanto, são mais de 10 anos de experiência clínica/laboratorial, tendo registrado mais de 10.000 casos. No RDO é feita a checagem médica individualmente pelo Dr. Ricardo Oliveira. A liberação do resultado/laudo é pioneiramente emitida em gráfico, com correlação dos valores obtidos com a idade da paciente, o que facilita muito a interpretação.

Programação completa: #movimentodafertilidade

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Spot
• 08:00 às 08:15 – Abertura  e Entrega Kits
Locutor: Chamada para o treino (Prof: Spot)
• 08:15 às 09:00 – Aula 1 – Zumba ou Ritmos (Prof: Spot)
• 09:00 às 09:15 – Apresentação Projeto – Representante SBRA – Coordenador Brasília – Dra. Hitomi
• 09:15 às 10:00 – Aula 2 – Circuit Training ou HIIT – (Prof: Spot)
• 10:00 às 10:45 – Aula 3 – Yoga ou Alongamento – (Prof: Spot)
• 10:45 – Encerramento
• 11:00 – Agradecimentos