Doação / Recepção de Óvulos

Em alguns casos as pacientes que necessitam de um procedimento de reprodução assistida não apresentam boa resposta durante o uso de medicamentos para estimulação. Casos como esses, ou de mulheres que não possuem ovários por alguma doença prévia ou uma cirurgia, ou mesmo após quimioterapia que tenha afetado a função dos ovários, podem ser solucionados com o uso de óvulos de doadoras.

Assim, essas mulheres podem ser mães de embriões formados por esses óvulos e pelo espermatozóide de seu parceiro. Há necessidade de preparar a parte interna do útero (endométrio) com medicamentos para que este possa receber o embrião. Quando se atinge a gravidez, a paciente precisa continuar usando medicações para “segurar” a gestação, até cerca de 12 semanas. As doadoras geralmente são mulheres com menos de 35 anos, saudáveis, sem antecedentes familiares, genéticos ou pessoais de doenças, e com características físicas (altura, peso, cor do cabelo, olhos, tipagem sanguínea, raça) semelhantes às da pessoa que vai receber o embrião.

Elas podem ser selecionadas entre mulheres que produziram um excesso de óvulos na sua estimulação. Essas mulheres que possuem os requisitos para serem doadoras são informadas antes do início do tratamento sobre a possibilidade de doar óvulos. Caso elas aceitem, orienta-se sobre a doação ser anônima e sem benefício econômico. Há necessidade de um termo de consentimento informado.

Uma vez aspirados os óvulos, estes serão separados entre os que serão usados pela doadora e pela receptora. Os óvulos da doadora são fecundados pelos espermatozóides de seu esposo. Os óvulos que serão usados pela receptora serão fecundados pelos espermatozóides do seu esposo.

Os embriões assim formados serão transferidos para o útero da respectiva paciente, usualmente entre 48 e 72 horas após a aspiração dos óvulos.