É preciso desmistificar a ideia de que a vasectomia é irreversível para quem deseja ter filhos. Apesar de tornar o homem estéril, o procedimento pode não ser definitivo.

O médico creditado pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), Matheus Roque, explica que para um casal infértil em que a única causa é a vasectomia, existem duas possibilidades para uma gravidez ser bem sucedida: a reversão de vasectomia e as técnicas de reprodução assistida. Saiba mais:

1 – Reversão da Vasectomia

Homens que desejam a reversão precisam se submeter ao procedimento chamado “vaso-vaso anastomose” ou então à “vaso-epidídimo anastomose”. Na prática, o profissional realiza a re-conexão dos tubos (canais deferentes) que transportam os espermatozoides da região testicular até a região das vesículas seminais e próstata para que saiam no ejaculado. A possibilidade de sucesso da reversão (homem voltar a ter espermatozoides na ejaculação) está diretamente ligada ao tempo decorrido entre a realização da vasectomia e o procedimento de reversão. Apesar da microcirurgia de reversão bem sucedida, pode ocorrer situações do casal não conseguir engravidar. “Ou seja, antes de ser indicada uma cirurgia de reversão, é importante que seja realizada uma adequada avaliação da parceira desse homem para investigar possíveis causas de infertilidade nessa mulher”, alerta Roque. Isso porque a fertilidade também deve levar em consideração a idade e a reserva ovariana da mulher.

2 – Inseminação Intra-Uterina (IIU)

Essa técnica de reprodução assistida é possível caso ocorra sucesso na reversão ou quando o homem realiza o congelamento de sêmen antes da realização da vasectomia, porém o casal não engravida naturalmente. O sêmen é descongelado e preparado para ser injetado dentro do útero da mulher. O procedimento é realizado no período ovulatório, geralmente com estimulação por hormônios, e, é uma forma de tratamento que se aproxima mais de uma gestação natural.

3 – Fertilização In Vitro (FIV)

É a outra alternativa por meio da reprodução assistida para um homem que tenha realizado a vasectomia, que não tenha indicação ou não queira realizar a reversão, ou mesmo que tenha realizado a reversão mas sem sucesso. Nesses casos, os espermatozoides são retirados diretamente da região do epidídimo ou do testículo e cada espermatozóide é injetado diretamente dentro dos óvulos. A fertilização (junção do óvulo e espermatozoide) é realizada em laboratório e o embrião já formado é transferido para o útero da paciente. As taxas de sucesso são superiores à gestação natural e IIU.

Cuidados

A Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida aponta que é preciso se atentar em discutir prós e contras do procedimento e comparar resultados de taxas de gravidez pós reversão com as taxas de gravidez pós Fertilização In Vitro. A definição final deve ser do homem ou do casal, quando for o caso, embasados em dados técnicos e resultados apresentados pelo médico especialista.

Fonte: Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA)