O hipertireoidismo gestacional ocorre quando há uma grande produção de hormônios tireoidianos durante a gravidez por conta dos elevados níveis de Beta-hCG, o hormônio da gestação. A gonadotrofina coriônica humana (hCG) também estimula a tireoide, que instiga a produção de mais hormônios, levando ao hipertireoidismo.

A boa notícia é que a doença não é comum na gestação – apenas de 2% a 3% das mulheres a desenvolvem, mas pode acometer mulheres que nunca tiveram problemas de tireoide antes.

Apesar disso, ela é mais comum entre as mamães que fizeram tratamento para engravidar, durante o tratamento, a mulher toma hormônios para estimular a ovulação. Portanto, um hiperestímulo de qualquer parte hormonal do corpo pode desencadear no estímulo de uma glândula, sendo, uma delas, a tireoide.

Sintomas e tratamento do hipertireoidismo gestacional

Segundo o endocrinologista Mateus Dornelles Severo, durante a gravidez, os sintomas de hipertireoidismo podem se confundir com os sintomas da gestação, já que taquicardia, intolerância ao calor e excesso de suor são frequentes nas futuras mamães. Outros sintomas, como ansiedade, tremores, perda de peso e olhos saltados, já são sinais mais claros da doença.

O diagnóstico durante a gravidez é feito com facilidade através de exame de sangue. Níveis de TSH menores que 0,1 mU/L, acompanhados de níveis elevados de T4 livre ou T3 livre para o período gestacional, confirmam o diagnóstico.

Normalmente, se controlado durante a gestação, o hipertireoidismo não traz riscos ao bebê. Na maioria das vezes, não requer tratamento. Porém, se estiver num estágio moderado ou mais grave, pode-se fazer uso de algumas medicações para controlar a doença na gravidez.

Após o nascimento do bebê, a tireoide é normalizada. Como é o hormônio Beta-hCG que estimula muito a produção de mais hormônios tireoidianos, que levam ao hipertireoidismo, com o cessar da gestação a tireoide tende a voltar ao normal.

Fonte: Dr Domingos Mantelli – Ginecologista e obstetra e Dr Mateus Dornelles Severo – Endocrinologista